28.11.07

Introdução à poesia clássica japonesa

Uma das características mais eminentes e evidentes da poesia japonesa é a sua brevidade de expressão, ou seja, a sua concisão verbal. Esta característica deriva do próprio tecido fonético da língua japonesa, tecido esse formado por poucas vogais e ditongos, isto fez com que o “pequeno” soasse “melhor” e, logo, mais poderoso. A evolução intrínseca da literatura e da própria língua nas sublimes cortes de Nara e Kyōto, num ambiente de requinte artístico ajudaram a reforçar esta ideia. Para além disso, a poesia servia também como uma forma de comunicação que, juntamente com o senso de decoração e ostentação das cortes, proporcionou o ambiente necessário para a criação da tradicional uta 歌 também conhecido por waka 和歌 que significa literalmente “canção", o poema de trinta e uma sílabas que está no fundação virtual de toda a poesia japonesa entre 850 e 1900. Este tipo de poema possui várias particularidades, nomeadamente no campo da fonética onde encontramos fortes aliterações internas assim como assonâncias. No campo do sentido, o conceito estético kakekotoba かけことば, designa uma figura retórica através da qual uma palavra encerra uma multiplicidade de sentidos nas palavras homónimas, abrindo assim o leque de possibilidades da leitura. No tecido poético intrínseco, recorrer a imagens concretas é uma via primordial de expressão da poesia clássica japonesa. Neste ponto, e fazendo uma leitura comparatista, a poesia japonesa distingue-se da poesia europeia. Se estamos à procura dos grandiosos monólogos sentimentais de Hamlet, não vamos certamente virar as nossas atenções para a poesia clássica japonesa. Isto porque o waka deste período procura a singularidade imagética da realidade, a cristalização de um momento fugaz, a retenção do instante.
「世の中を何にたとえむ朝ぼらけ漕ぎ行く舟の跡の白波」[1]
“A nossa vida neste mundo
A que devemos compará-la?
É como um barco alinhado na pausa do dia,
Sem deixar rastro.”[2]

É esta noção de imagem, que, por exemplo vemos neste poema de Sami Mansei, da antologia Manyoshu. Aqui, ele consegue captar a noção de precariedade e temporalidade através de elementos pictóricos. É curioso verificar que este tipo de poesia que na Europa se veio afirmando essencialmente no período naturalista e até simbolista, foi explorado nos primórdios da história da literatura em terras nipónicas.
Claro que isto não significa que exista uma uniformidade em relação a um período tão extenso e abrangente como o é o período clássico do Japão (794-1185). De ano para ano, a literatura sofreu várias mutações. Estes são, contudo, em traços muito gerais, os temas dominantes do estudo literário da poesia clássica do Japão.

[1] Sami Mansei, “Manyoshu” 万葉集 (Colectânea de Dez Mil Folhas) primeira colectânea de antologia de poesia clássica do Japão.
[2] Todas as Traduções são feitas por mim com o apoio do livro Tradicional Japanese Poetry e com a ajuda do meu professor de japonês Prof. Dr. Tsuyoshi Takamatsu.
Sara F. Costa

2 comments:

Anonymous said...

Óptima introdução. A tradução capta a imagem do poema de forma estupenda. Bom trabalho. Fico a espera da continuação.

Duarte

annabel lee said...

Doumo arigatou gozaimasu ... *^_^*