4.2.10

HERÓIS E BESTAS, SEVÍCIAS E PUDORES, SEGUNDO TANIZAKI JUN’ICHIRO

“BUSHUKÔ HIWA — 武州秘話 — A HISTÓRIA SECRETA DO SENHOR DE MUSASHI” (1931—32)
     
 

                “Rezam as crónicas da época, que pelo décimo mês do décimo-oitavo ano de Ten’Bun ( 天文十八年十月)[1549], Yakushiji Dan’Jo Masakata adoeceu subitamente, e enquanto decorria o assalto ao Castelo de Ojika.
                 “O cêrco foi, pois, levantado, e as suas forças marcharam em retirada para Kyoto, onde Yakushiji viria a perecer, escassos dez dias volvidos, na sua mansão em Abura’Kouji.
                “Resulta, porém, claro d’“As Confissões de Dôami” e do “Sonho De Uma Noite” que tais relatos em nada correspondem à verdade do sucedido...              Pois que, à época destes eventos, só um punhado de próximos de Yakushiji se inteirou da verdade desta história. E no Castelo de Ojika, só o próprio Hôshimaru (法師丸) — futuro Senhor de Musashi — da verdade sabia...”

«De Quando Ambas As Forças Em Batalha Se Tomaram De Espanto E  As Hostes De Yakushiji Dan’Jo Masakata Levantaram Cêrco E  Debandaram...» in “Bushukô Hiwa (武州秘話) — A História Secreta do Senhor de Musashi”
 TANIZAKI JUN’ICHIRO, 1931       



        Inédita em Portugal e recentemente trazida a público no Brasil, em versão portuguesa, com tradução a cargo de Dirce Miyamura, sob o título “A Vida Secreta do Senhor de Musashi” (ed. Companhia das Letras, São Paulo, Setembro de 2009) — desta feita, e à semelhança da versão inglesa de Anthony H. Chambers, de 1982 (“The Secret  History of the Lord of Musashi”), fazendo-se acompanhar da novela sua ‘gémea’ intitulada “Yoshino Kuzu” (吉野 - “Arrowroot” na versão de Chambers), esta igualmente publicada pela primeira vez em 1931 —, “Bushukô Hiwa” (武州秘話) permanece, no nosso tempo, como uma das mais  extraordinárias obras vertidas do indomitável génio de Tanizaki Jun’Ichiro (1886-1965), vulto incontornável da literatura nipónica do século XX e autor de um dos mais emblemáticos e celebrados espólios literários do seu tempo. E se esta obra, ainda relativamente desconhecida entre nós, terá à data da sua conclusão, em 1932, suscitado um vasto manancial de emoções, do riso enternecido de uns à indignação puritana de outros, ela conserva ainda hoje, inequivocamente e em estado puro, a frescura de espírito burlesco e o humor hilariante que lhe deu o tom, e que raríssimos escritores do seu tempo partilharam com o aclamado autor de “Sasame Yuki  (細雪) — As Irmãs Makioka”  (1943-48).

        Mas se “Bushukô Hiwa” se nos afigura como uma obra emoldurada numa equação de termos sobejamente simples — a re-elaboração da biografia de uma temível figura do Japão feudal (heroicizada pela História dita ‘oficial’, esta cobrindo aquela de elogios, ocultando as suas facetas mais obscuras, os seus mais infrenes vícios e maquilhando o grotesco), fazendo-o por recurso a dois olvidados “manuscritos da época” entretanto descobertos pelo autor/narrador, e servindo estes como fontes fidedignas dessa outra história, a tal dita secreta, que cabe agora revelar —, não obstante esta “História Secreta...” impõe-nos, à partida, a leitura de uma ou duas advertências a título de notas prévias, prendendo-se estas com a sugestiva fórmula do seu título, passível de  suscitar uma ou outra dúvida, a saber: a referência a um certo território, feudo, suserania ou Han () ancestralmente designado pelo nome Bushu (ou Bushuu — esta última latinização dos Kanji [Bu - de bélico ou  militar] e 州 [Shuu - estado(s)] sobrepondo-se como eventualmente mais acertada), remete-nos para a questão da opção pelo nome Musashi (武蔵) a preponderar na generalidade dos títulos das versões traduzidas desta obra, até hoje publicadas no Ocidente.



A este respeito e com rigôr, sabemos que o espaço geográfico designado por Tanizaki como lugar do domínio de Terukatsu, Senhor de Musashi’, corresponderia  a uma área só posteriormente tratada por esse nome, localizada a sul da planície de Kanto, lugar da então Edo, hoje Tokyo. 

            Certo é que, da leitura do texto original d’”A História Secreta...”, verifcamos que, com efeito, o nome Musashi , não obstante a clareza do título original, figura como cognome do dito Terukatsu do princípio ao fim da obra.


Numa segunda observação, o nome Musashi eventualmente induzir-nos-ia num inocente equívoco: referir-se-ia Tanizaki, porventura, com a sua personagem, à figura semi-mítica de  Shin’men Takezo, esse dito Miyamoto Musashi (c. 1584 - 1645), primaz dos lidadores da espada do Período Azuchi-Momoyama (安土桃山時代 — 1568-1603) e primórdios do Período Edo (江戸 — 1603 a 1868), artista pluri-disciplinar e génio quasi-DaVinciano da época posteriormente designada por Renascimento de Kyoto (京都文復興期  — Kyoto Bungei’fukkouki), o mesmo herói do  lendário duelo de Ganryu’Jima (「 巌流島の決闘」) no qual eliminaria o seu arqui-rival Sasaki Kojirô (佐々木小次郎), e autor do magistral Go’Rin-No-Shô (「五輪書」)  — o mil e uma vezes citado “Livro Dos Cinco Anéis”?


        A resposta a esta questão é categórica: nem de perto, nem de longe, existe seja que relação fôr entre esse Miyamoto Musashi que a História registou igualmente como  combatente nas fileiras de Tokugawa Ieyasu (徳川家康) nas campanhas de Sekigahara  e Shimabara e ess’outro Terukatsu, ‘Senhor de Musashi’, personagem inteiramente fictícia, e saída tão-só da imaginação incendiária de Tanizaki.
        Desta breve análise, depreendemos que o título possível de “A História Secreta do Senhor de Bushu(u)” poderia sempre servir como última opção para uma versão traduzida, dispensando, assim, os eventuais equívocas supra mencionados.
            Em todo o caso, o título com a referência a um certo “Senhor de Musashi”, entre nós, parece ter assente terreno e vindo para ficar.  Subsistirá, em qualquer recurso,  a dúvida sobre se esta última opção recorrente se deverá a uma particular astúcia ou estratégia editorial, transversalmente disseminada, com vista a atrair o potencial interesse de todos quantos identificam no nome Musashi o fascínio suscitado pela vida e  feitos do personagem real que o envergou em idêntico período histórico a esse que serve de cenário à novela de Tanizaki: o Período Sengoku (戦国時代 - Sengoku Jidai: período do País em Guerra), era de violentas guerras civis iniciadas em meados do século XV — final do Período Muromachi (室町時代 — 1336-1573) —, que devastariam o Japão por mais de dez longas e penosas décadas, e atingiriam o seu auge pela segunda metade do século XIV, com os conflitos protagonizados por Oda Nobunaga (織田信長), Toyotomi Hideyoshi (豊臣秀吉) e o acima referido Tokugawa Ieyasu (徳川家康).

*
·        Génese de uma quimera incompleta


       
       Acerca das origens d’”A História Secreta...”, Anthony H. Chambers, tradutor da mais conhecida versão inglesa desta obra, elucida-nos a este respeito, lançando mão a um curioso manancial de referências.

            Diz-nos Chambers que em 1948, havendo concluído a sua opus magnum, “Sasame Yuki — As Irmãs Makioka”, Tanizaki escreveu que entre as obras de sua autoria de que mais gostava, destacava “Tadeku Mushi (蓼喰う蟲) — Ele Há Gostos Para Tudo...” [“Some Prefer Nettles”, na versão inglesa], (1928-29) e “Yoshino Kuzu” (吉野葛“A Fécula de Yoshino”,“Arrowroot” na versão inglesa), como figurando entre as suas favoritas. Entre estas, destacava igualmente “Bushukô Hiwa — A História Secreta do Senhor de Musashi” (武州秘話).

       

            De 1910 até cerca de 1930, Tanizaki favorecera um certo estílo novelístico ‘ortodoxo’, “dinamizado por uma escrita descritiva minuciosa e pelo recurso a diálogos com propósitos estritamente objectivos”, como sucede no caso de “Tadeku Mushi (蓼喰う蟲) [Some Prefer Nettles]”, onde encontramos tais características  bem empregues.
      
        Contudo, de 1930 a 1935, Tanizaki envereda por um estílo sobremaneira mais ‘experimental’ e enredado em subtilezas, um género quase-novo de “ensaio-ficção”, cujo propósito declarado seria o de “encontrar a forma que conferisse ao conteúdo uma sensação completa, grandiosa de realidade.”
            Aliada a esta conversão de estilo, um renovado interesse na contemplação da História e  Estética nipónicas, faz-se manifestar na sua escrita ainda antes da decada de 30, e sobretudo a partir de 1926.
            É em “Yoshino Kuzu” que Tanizaki apresenta, pela primeira vez, os seus dois novos interesses paradoxais: experimentalismo e tradição.
            Tendo pressentido ser inteiramente capaz de fazer fruir tão (aparentemente) improvável combinação, Tanizaki explorá-la-ia em várias das suas obras maiores, onde se destacam “A História Secreta...”, “Ashikari” (蘆刈) de 1932, “Shunkin’shô — Retrato de Shunkin” (春琴抄) de 1933, e a “A Mãe do Major Shigemoto” (少将滋幹の母), de 1949.
            A técnica narrativa vertida em “Yoshino Kuzu”, e n’ “A História Secreta...”, parece, por seu turno, ter colhido a inspiração na obra de Stendhal, “L’Abbesse de Castro”, inclusa nas “Chroniques italiennes”, que Tanizaki traduzira para Japonês ainda em 1928.  Na obra de Stendhal, à semelhança do que sucede com o protagonista de “Yoshino Kuzu”, o narrador viaja até Itália, partindo em busca da verdade acerca de uma história que, algures no tempo, teria sido distorcida por cronistas tendenciosos, e, na mesma esteira d’“A História Secreta...”, revela a sua versão dos factos, baseando-se em dois manuscritos recém-descobertos. Há, porém, uma diferença notória entre a obra de Stendhal e as de Tanizaki:    Stendhal recorre a manuscritos autênticos ao compôr as suas “Chroniques italiennes”, ao passo que Tanizaki mais não faz que pur’e simplesmente inventar os dois ‘manuscritos’ que sustentam a sua “A História Secreta do Senhor de Musashi” —   o “Sonho de Uma Noite” (見し夜の夢 - Mishi Yoru No Yume), atribuído à Monja Myokaku, e “As  Confissões de Dôami” (道阿弥の手記 - Dôami No Shuki) resgatadas a um seu  pajem d’outrora — e todas as personagens dest’última, à excepção de alguns Daimyo (大名 — senhores feudais) referidos no prefácio e no Tomo I, são , todas elas, absolutamente fictícias — em todo o caso, adverte-nos A. H. Chambers, o leitor não deverá assumir o narrador de “Yoshino Kuzu” como se se tratando do próprio Tanizaki: “a ‘Mãe’ mencionada nestra obra é, na verdade, a mãe do amigo de [do personagem] Tsumura” escrevia Tanizaki em 1964. “Minha Mãe nasceu em Fukugawa, Edo, em 1864, e veio a falecer em Kakigara-chô, distrito de Nihonbashi, Tokyo, em 1917; como filha devota de Tokyo, minha Mãe nunca se deslocou ao Japão ocidental [Yoshino, Kyoto, Nara, Osaka, etc.](...)”

Com efeito, a escrita de Tanizaki é notoriamente menos auto-biográfica que a da grande maioria dos escritores Japoneses seus contemporâneos. Tanizaki preferia clara e inequivocamente, fazer uso, tão-só, da sua prolífica imaginação. “Recentemente dei comigo enredado neste péssimo hábito”, escreve em 1926, “torna-se-me impossível ler, ou escrever, seja o que fôr que tome factos reais por matéria-prima, ou que avulte o que quer que seja — ainda que remotamente — de realista. E é por esse motivo que não faço o menor esforço por ler quaisquer obras destes autores de agora que vão surgindo nas publicações periódicas todos os meses. [Quanto muito] dou-lhes uma vista-de-olhos, às primeiras cinco, seis linhas, e logo dou por mim a dizer p’ra comigo mesmo «Aha! lá está ele a escrever sobre ele próprio...» e perco logo toda e qualquer vontade de prosseguir [com a leitura]. Via de regra dou por mim a ler coisas que em nada se prendam com os dias de hoje. Quando leio novelas históricas, historietas d’entreter ou até mesmo obras de algum realismo de há uns cinquenta anos atrás, ou até, porventura, obras de autores Ocidentais contemporâneos, que em nada se relacionam com a sociedade nipónica de hoje, aí sim!, posso deleitar-me com esses mundos que me são dados contemplar somente pelo exercício da minha imaginação.”
     
 E à semelhança do narrador de “Yoshino Kuzu”, Tanizaki terá, inicialmente, planeado escrever, conforme sugerira em 1933,  uma longa narrativa histórica, ao estilo de um “Quo Vadiz?”, fazendo desenrolar a acção no Japão feudal, numa tela de personagens repleta de cortesãos, um Shogun, sacerdotes, lindas donzelas insinuantes, intrincadas em labirínticas tramas e outras relações complexas, sofrendo incontáveis vicissitudes.  Tanizaki considerava, porém, que na sua generalidade, as crónicas históricas japonesas de índole tradicional, e dominantes no âmbito de  uma certa cultura clássica do seu país, se achavam demasiado enredadas numa certa ortodoxia confucionista, que as tornava excessivamente didácticas e sobremaneira insalubres, e lamentava, em termos depreciativos, o fardo do confucionismo na tradição histórico-literária do Japão.

            “Jamais saberemos quanto génio se perdeu nessa dita ‘literatura sóbria’ e por efeito dessa noção, dominante no Japão d’outrora, de que as novelas e o teatro só serviriam como entretenimento de mulheres e crianças, jamais podendo integrar o espólio cultural de um samurai. Um homem de letras como um Rai Sanyo ( 山陽 — 1780-1832), por exemplo, quantas e quão belas obras, de inegável valor literário, político e historiográfico e ainda assim dotadas de algum calor humano, de um pouco de Alma que fôsse, teria ele produzido, em lugar dess’enfadonha “História Não-Canónica do Japão.”

            E em particular, as visões tradicionalmente perfilhadas quer pelo Confucionismo, quer pelo Budismo no concernente às mulheres — de que estas seriam seres inferiores, pouco ou nada meritórios de alguma atenção séria —, com efeito, faziam-se igualmente reflectir nas crónicas e relatos históricos do Japão pré-Meiji, para tristeza de Tanizaki.
           
            Em 1931, o próprio escreveria:

            “Com frequência, dou por mim a pensar que gosto seria poder escrever uma novela histórica baseada numa figura do passado, mas logo dou comigo invariavelmente frustrado ao deparar-me constantemente com a dificuldade em formar uma imagem minimamente clara que seja das mulheres que teriam rodeado este ou aquele personagem em dada época...
            “Desde tempos imemoriais , que as genealogias das famílias do Japão incluindo a da própria Família Imperial (皇室Kô’shitsu), sempre providenciaram um vasto  manancial de detalhes acerca dos seus elementos do sexo masculinos; mas, quando toca às mulheres, a informação  resume-se invariavelmente a essas notas fugazes de “mulher” ou “feminino”, via de regra sem qualquer menção dos respectivos ano do nascimento ou da morte, e no mais das vezes sequer dos próprios nomes.
            “Por outras palavras: a História do Japão compõe-se de ‘indivíduos-homens’, mas nela nem faz sequer sentido  procurar um ‘indivíduo-mulher’...”

E, no ano seguinte, escreveria: “O meu desejo, aquilo que eu realmente gostaria de fazer, seria recriar a moldura psicológica dessa Mulher Nipónica de um certo Japão feudal, tal e qual como esta se manifestava, assim, isenta de quaisquer interpretações modernas, e retratá-la de tal modo que ela pudesse tocar a Alma, os corações dos leitores de hoje.”
“...Até mesmo  uma mulher que aparentasse guardar a mais cerrada castidade e a mais empedernida pureza de ideais, terá, por um instante, e sem sombra de dúvida, experimentado a sensualidade de um amor cárneo, imoral, porventura imprescrutável aos olhos de seus pares e de todos quantos a rodeassem; ciúme, ódio, crueldade, e tantas outras paixões desenfreadas, ainda que tenuamente, se lhe houvessem de’insinuar Alma adentro...
“Contudo é extremamente difícil retratar de forma convincente uma mulher que, nem por um momento breve que fôsse, alguma vez tivésse exteriorizado o menor sinal de tais paixões: alguém que vivesse uma vida inteira na clausura do seu próprio mundo interior.”

            Estas palavras foram registadas pouco antes da redacção de “Bushuko Hiwa — A História Secreta do Senhor de Musashi” e da criação da apaixonante e atormentada Dama Kikyo.

·        Uma lascívia de cabeças cortadas e narizes amputados...


            Mas na mesma medida em que recria a narrativa de uma rígida história de matriz confucionista, “A História Secreta do Senhor de Musashi”, igualmente consegue o feito inimitável de parodiar, até à última sentença, o puritanismo desse mesmo estilo: os mesmos aspectos da vida que os historiadores e cronistas de índole confuciana tratariam por pudicícia de ocultar nos seus relatos, Tanizaki fá-los exibir com o mais dissoluto despudor.







O narrador jamais trata de se questionar acerca da veracidade dos feitos ultrajantes, do grotesco e do do patético, atribuídos a Terukatsu por via do “Sonho de Uma Noite” e  d’“As  Confissões de Dôami”, ao longo da narrativa,  ainda que conjecturando, aqui e ali, sobre as motivações que teriam, eventualmente, levado os biógrafos desse Senhor de Musashi, a dissimular tais detalhes, e prossegue, com relativa prudência, dissertando sobre o quadro mental do temido guerreiro.

            De um outro prisma, o mesmo narrador parece dissecar, em tom de comédia, a sua própria lubricidade sado-masoquista, pronunciada ao longo da narrativa, num estilo semelhante aquele que caracterizaria  a última das obras maiores de Tanizaki, “Diário de Um Velho Louco” (瘋癲老人日記 - Fuuten Rôjin Nikki),  de 1961.


       
        E é nesse mesmo tom incerto entre o solene e o jocoso,  e em traços ora soltos ora mui precisos, que “Bushukô Hiwa” nos conduz através da estranha vida de Terukatsu, herdeiro do Daimyo Terukuni, Senhor de Musashi, que até completar a idade de quinze anos se fez conhecer pelo nome de Hôshimaru.  E que nesse período de maturescência, entregue primeiro aos escrupulosos cuidados do Senhor de Tsukuma, suserano de Ojika (e como refém deste), se deixaria exorbitar, antes que fôsse homem feito, por essa inconfessável lascívia de quem tomou do raro privilégio  de, uma certa noite, observar e  deslumbrar-se, no resguardo da distância, pel’essas mãos das mulheres do Castelo de Ojika, lavando e maquilhando, em gestos suaves e concisos, as cabeças reclamadas dos decapitados em batalha. E havendo, entre estas, aquelas que se achavam privadas de seus narizes, fugaz detalhe que houvera,  porém, de‘inda mais fazer por inflamar a precoce volúpia do infante Hôshimaru. E todas estas coisas e outras mais que não cuidaram os escrivães de fazer constar nas crónicas, mas que do escrutínio do “Sonho de Uma Noite”  e d’“As  Confissões de Dôami”, las sabemos hoje, e com a mesma perplexidade com que Terukatsu p’la primeira vez olhou de perto essa insondável e mui serena Kikyo, consorte do Senhor Tsukuma Oribenoshou Norishige, dama de esmerados preparos, intíma, como assim outra não houvesse, das Artes da Poética e da Música, e candidamente insuspeita do papel que o destino lhe guardava nesta estranha e secreta história...

            Algures entre o deboche e o sublime, Tanizaki, com esta sua “História Secreta...” — e como  só ele, em sua época o soube fazer —, depunha ante o seu público uma genial comédia negra, espelho reflexivo da luz feérica das suas próprias obsessões, e despojada paródia de si mesmo. E diga-mo-lo claro: é precisamente essa rara habilidade para se rir de si mesmo,  assim aberta e publicamente, a faceta da obra de Tanizaki que ainda hoje a faz tão capaz de se conservar intacta na sua genialidade.
           



BIBLIOGRAFIA:

·         MIYAMOTO MUSASHI (宮本武蔵), 五輪書“Go’Rin Shô — The Book Of Five Rings” (biling. ed.  — coord. William Scott Wilson/Matsumoto Michihiro) — Kodansha International, Tokyo, 2001.
·         TANIZAKI JUN’ICHIRO (谷崎潤一郎), 武州公秘話“Bushukô Hiwa”  — Chuôkôron-Shinsha [中央公論新社], Tokyo, 2005.
·         TANIZAKI JUN’ICHIRO (谷崎潤一郎), “The Secret History Of The Lord Of Musashi” (trad. Anthony H. Chambers) — Vintage/Random House, London, 2001.


           

            LUÍS FILIPE AFONSO
Hakata, Kyushu, Japão  — Fevereiro de 2010

1 comment:

legal said...

Parabéns pelo seu blogger, gostei muito, ser você quiser me visita no meu blogger tem

bastante coisa legal, tem game para meninas, do game isa tkm jogos, moranguinha jogos,

relógio e calendário com sua foto, album foto, desenho anime, poema, poesia, frases, musica,

radio, msn nick, mario bros, mapa do google, cria texto avatar, curso de inglês, japonês,

italiano, hebraico, chinês, bbb10, torpedo grátis, etc... e no meu site tem Tradução, para

traduzir texto.

http://bloglegalnovo.blogspot.com

Espero que você seja meu seguidor